"O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino." (Pv.1:7)

quarta-feira, março 05, 2008

COMUNICADO PEQUENO MESTRE

Os textos estão sendo colocados agora no www.pequenomestre.wordpress.com , pois o blogspot está bloqueado no computador de onde geralmente os posto.

Que Deus os abençõe e faça frutifica a Palavra no coração de cada um de vocês.

mostre.seu.amor.ao.mundo

Sem dúvida uns dos versos mais falados e comentados da Bíblia em nossas igrejas são os que se retratam aos dez mandamentos, principalmente quando falamos do primeiro "amarás ao teu Deus acima de todas as coisas" e ao segundo mandamento em importância, citado por Jesus em seu ministério, que era "amarás ao teu próximo como a ti mesmo".

Na Palavra diz que esses dois mandamentos são os que "resumem" toda a lei e todos os profetas, ou seja, pelo amor nosso a Deus e pelo amor de Deus por nós e pelo nosso amor pelos nossos irmãos é que tivemos profetas e tivemos a lei, para que pudéssemos ser resgatados do pecado, conforme a lei descrevia que um dia seríamos, lei que se cumpriu em Jesus.

Ler sobre isso é de sobremaneira maravilhoso, mas lendo hoje um versículo reparei com estranheza algo que estava escrito sobre esse mandamento:

"Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros." Jo.13:34a


Jesus, após explicar que haveria de ser traído, após explicar que morreria e estava indo a um lugar aonde os discípulos não poderiam ir com Ele, então Ele lhes diz isso, dizendo um novo mandamento para que eles cumprissem, porém o novo mandamento era igual aos mandamentos antigos.

Porém desde já podemos tomar nossa primeira lição dessa primeira frase de Jesus.

Jesus nos ensina aqui que devemos amar.

Muitos de nós tem sido tocados por uma "nova teologia" a teologia da condenação e juízo, teologia que narra que temos que ser cruéis com aqueles que pecam, que temos que apontar em público o erro de nossos irmãos em Cristo, que temos que crucificá-los por pecaram, que temos que massacrá-los se por um momento se desviam, que temos que chutá-los quando caem no chão.

Mas não é isso que Jesus nos ensina.

Jesus nos ensina que não importa toda a teologia que se coloque em cima disto, não importam todos os aspectos da etiqueta, não importa a convivência, não importa o tipo de relacionamento que possuímos uns com os outros ou o nível hierárquico que desempenhamos, não importa aspectos sócio-econômicos ou sociais, não importa o nível cultural, não importa se aquela pessoa pecou ou que te fez algum mal, não importa se aquele irmãozinho caiu em contradição, temos que amar uns aos outros e ponto.

Jesus então explica porque esse mandamento é novo e porque não é mais aquele a quem Moisés narrou:

"Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros." Jo.13:34b


E é desse segundo trecho que retiramos nossa segunda lição.

Nós, após o sacrifício de Cristo tivemos um novo tipo de amor demonstrado, amor que, até aquele momento, nunca havia sido revelado, nunca havia sido exposto, um amor tão grande que foi capaz de entregar a própria vida para que tivéssemos uma nova vida e tivéssemos uma esperança eterna, uma esperança de Vida Eterna, que só nos pode ser dada através da aceitação de Cristo como Senhor e Salvador de uma vida.

Meu irmão, não importa o que seu irmão te fez, não importa o quanto que ele é cabeça dura ou se ele merece ou não ser amado, você precisa amá-lo, você necessita abraçá-lo como se estivesse abraçando a pessoa mais perfeita que existe no mundo, sabe porque?

Porque você não merecia viver, você não merecia remissão de pecados e mesmo assim Jesus Cristo entrou com seu amor inigualável, entrou com seu amor e morreu por você e quer que você siga esse exemplo, note comigo, Jesus diz aqui "Como eu os amei", não é como o seu irmão te ama que você deve amar, você deve amar seu irmão como Cristo te amou e o amor dEle é pleno em altruísmo, eu não merecia amor algum e mesmo assim Ele morreu por amor de mim, então devemos amar como Cristo nos amou.

E o Novo Mandamento de Cristo é esse, não é o mandamento em si, mas a forma de cumprir o mandamento, Jesus quer que amemos uns aos outros, como estava escrito na Lei de Moisés, mas Ele quando veio ensinou-nos como CUMPRIR a lei de Moisés, como amar verdadeiramente nossos irmãos e é isso que devemos seguir.

Mas Jesus ainda nos ensina mais nesse curto trecho de nossas Bíblias:

"Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros". Jo.13:35


A Trindade possui dons, porque na Bíblia fala que os dons são dados pelo Espírito, mediante a proporção de fé de cada um de nós e se os dons vem pelo Espírito os dons vem do Pai, do Filho e do Espírito Santo, cada um em sua face, em sua natureza e forma de atuação, assim podemos enxergar na Bíblia alguns pontos que nos mostram quais são os dons que caracterizam a forma de atuação da Trindade, o dom do Espírito Santo de Deus é a Fé, o dom de Jesus Cristo é a Esperança e o dom de Deus é o amor.

Vendo dessa forma podemos enxergar de uma maneira clara o que diz esse versículo, ele nos diz que devemos nos amar uns aos outros e assim todos saberão que somos discípulos de Jesus.

Ora, o que isso quer dizer? Quer dizer que ao amarmos uns aos outros estamos manifestando o dom supremo, o dom de Deus Pai, o amor e assim, quando demonstramos o amor uns pelos outros ficamos mais parecidos com Deus e assim somos facilmente reconhecidos, pois todos tem capacidade de enxergar esse dom, que é o maior de todos.

Meus irmãos, fico triste e preocupado quando vejo em nossas igreja desavenças em função de cargos, em função de formas de trabalhar, em função de formas de atuação, em função de relacionamentos não completos e imaturos entre muitas outras coisas. Fico triste porque ao ver essas atitudes não consigo enxergar o amor de um irmão pelo outro e assim não consigo enxergar Deus em nossas igrejas.

Meus amados, nós ficamos na terra depois de aceitarmos a Jesus com uma missão, de sermos representantes de Cristo e de Deus, fazendo com que os homens enxerguem em nós um elo com o Senhor, porém como temos sido os representantes? Será que as pessoas tem visto a Deus em nossas vidas, será que tem visto Deus em nossa relação com nossos irmãos?

Ouvi uma música que dizia:

"Na casa em que dizem que meu Deus habita, não encontrei Ele lá".


E isso tem sido verdade por diversas vezes, mas a responsabilidade não é do pastor, não são dos presbíteros, é minha e sua e nossa relação de amor.

Ame seu irmão, como Jesus lhe amou primeiro, em todas as ocasiões e assim mostre ao mundo o Deus de amor a quem você serve.

Deus o abençoe!

acredite.na.vida

Acreditar. Não acreditar.

Grande parte de nossas escolhas, grande parte de nossas decisões se baseiam nessas duas expressões, grande parte de nossos rumos são tomados porque acreditamos ou não acreditamos em tal pessoa, porque acreditamos ou não acreditamos em tal oportunidade, porque acreditamos que tal coisa dará ou não dará certo.

Tudo o que fazemos depende desse simples fato, o fato de acreditar, de crer, de colocarmos a nossa confiança ou de não colocarmos a nossa confiança em algo e é isso que rege nossas vidas.

E o mais importante dessa decisão de acreditar não é simplesmente conseguir acreditar, acreditar é fácil, podemos acreditar em qualquer coisa, desde que nos convençamos de tal coisa, mas escolher no que acreditar, essa sim é nossa maior dificuldade como homens.

Todos nós conhecemos e até os descrentes conhecem a crença de Tomé. Tomé foi um discípulo, um dos Doze de Jesus Cristo que não estava quando Jesus apareceu depois da ressurreição, então Tomé tomou uma decisão de não acreditar:

"Tomé, chamado Dídimo, um dos Doze, não estava com os discípulos quando Jesus apareceu. Os outros discípulos lhe disseram: "Vimos o Senhor!" Mas ele lhes disse: "Se eu não vir as marcas dos pregos nas suas mãos, não colocar o meu dedo onde estavam os pregos e não puser a minha mão no seu lado, não crerei". Jo.20:24-25

Não culpem Tomé pelo que ele fez, todos sabemos que os outros foram mais bem-aventurados do que ele, por terem acreditado antes de ver, mas o mais importante é que Jesus lhe mostrou futuramente que estava vivo e Tomé creu verdadeiramente em Jesus.

Mas essa não foi a primeira vez que Tomé se pronunciou na Palavra, Tomé antes havia demonstrado que acredita em alguma coisa:

"Então Tomé, chamado Dídimo, disse aos outros discípulos: "Vamos também para morrermos com ele". Jo.11:16

Jesus estava sendo perseguido pelos judeus, que tentavam matá-lo, e disse que ia à Judéia, para ver Lázaro, que havia morrido, então Tomé prontamente disse para irem morrer com Cristo.

Essa decisão de Tomé nada foi além de acreditar em Cristo, acreditar no seu ministério e de vestir a camisa e se entregar à causa de Cristo, acreditar na morte de Cristo.

Porém Tomé mais tarde se esqueceu de uma coisa, de acreditar na vida de Cristo.Meu irmão, muitas vezes nós temos sido como Tomé, temos acreditado piamente na morte de Cristo, temos acreditado que Ele sofreu, que Ele padeceu, que Ele foi crucificado, que Ele apanhou, que Ele derramou seu sangue, mas quando chega na hora de acreditarmos na ressurreição, simplesmente não cremos.

"EU CREIO EM CRISTO SIM!" – você poderia me dizer.

Sim, você muitas vezes crê em um Cristo morto, um Cristo que não opera, um Cristo que dorme há 2000 anos e está esperando a trombeta, que é seu despertador, para acordar, mas não é isso que Jesus disse que faria!

Temos visto nos dias de hoje diversas igrejas e pessoas que não acreditam mais no operar de Cristo, não acreditam mais que Deus possa estar em um ministério, que Deus possa estar em uma oração, que Deus possa estar em uma igreja.

Outros, mais ousados, acreditam que Deus não pode mudar uma igreja, acreditam que Deus não pode mudar um coração, acreditam que Deus não pode mudar um sentimento, acreditam que Deus não pode mudar uma pessoa, acreditam que Deus não possa restaurar uma vida e desconfiam dessa vida quando ela se muda por Cristo.

Meu irmão, quando você faz isso você age como Tomé, o erro de Tomé não foi não acreditar em Cristo, Tomé acreditava em Cristo sim e o seguiria até a morte, como ele mesmo disse, lembrem-se, Pedro disse isso e Jesus o repreendeu, mas Tomé o disse e Jesus não o repreendeu, porque Jesus sabia que aquilo que Tomé disse era verdade, Tomé seguiria a Cristo até a morte. Tomé acreditava em Cristo, mas não acreditava no operar de Deus para a vida.

Você está desanimado com seu pastor, com a sua igreja, com o seu ministério, com os seus irmãos, com o louvor da sua igreja, com a fé dos que estão ao seu lado, com as pessoas que se desviaram, com as pessoas que não aceitam a Palavra, com as pessoas que não ligam para Deus, você está decepcionado com a igreja e com as pessoas em geral.

Você então é um Tomé, você acredita na sua morte por Cristo, mas não acredita na vida que Cristo pode dar.

Jesus pode mudar uma situação, Jesus pode fazer um milagre, fazer com que aquela pessoa que você menos imagina se transforme e o aceite como Senhor e Salvador de sua vida, isso é o que diziam de Paulo, que ele nunca mudaria, Ananias chegou a colocar em dúvida o que o Senhor lhe disse, dizendo que "o que ele tinha ouvido sobre Paulo é que ele perseguia a igreja", como se estivesse perguntando se Deus tinha certeza do que queria, mas olhem o que Jesus fez com Paulo! A mudança de vida que lhe deu!

Meu irmão, não acredite somente na morte de Cristo, acredite na vida e na vida que Ele pode dar aos que o seguem, acredite que Deus pode mudar as situações, pode mudar corações e atitudes.

Glorifique a Deus, acredite na vida em Cristo e não na morte, para a Glória de Deus!

Deus o abençoe!

quinta-feira, fevereiro 28, 2008

não.largue.no.prato

“Quero ver vocês comerem tudinho o que coloquei no prato!”.

Essa era a exclamação da minha mãe sempre que eu e meus irmãos, ainda novos, íamos comer, assim que colocava algo no prato e nossos narizes se torciam, dependendo do “petisco” que havia sido servido, ela nos entregava essa frase falando para não desperdiçarmos nada do que havíamos recebido.

Outra hora nos dizia que era errado, era pecado deixar comida no prato com tantas pessoas por aí pelo mundo para comer, precisando de alimento, ela nos dizia:

“Mas que judiação! Tanta gente passando fome e vocês largando comida no prato!”.

E com isso nós aprendemos durante toda nossa infância, conferindo que aquilo que minha mãe falava era verdadeiro, depois de um pouco mais crescidos pudemos ver pessoas que realmente passavam fome, pessoas que tinham mesmo necessidades e sempre nos lembrávamos daquelas frases que minha mãe dizia, todas essas pessoas famintas e nós rejeitávamos toda a comida que estava em nossa mesa, era um sentimento de profunda culpa e um desejo insondável, incontável de voltar atrás e distribuir todos aqueles pratos rejeitados a essas pessoas.

“Depois que todos receberam o suficiente para comer, disse aos seus discípulos: “Ajuntem os pedaços que sobraram. Que nada seja desperdiçado.” Jo.6:12

No momento em que li esse versículo o sentimento que bateu em meu coração foi uma lembrança daqueles momentos com a minha mãe e meus irmãos na mesa, uma autoridade, no meu caso a minha mãe e naquele tempo Jesus, falando aos seus pequenos, meus irmãos e eu e os discípulos, para que não desperdiçassem a comida.

E na verdade o sentido aqui é praticamente o mesmo entre o que Jesus falou e minha mãe.

Jesus estava com uma multidão de pessoas à sua frente, Ele logo que os viu pensou no que faria para alimentá-los e assim perguntou aos seus discípulos como eles alimentariam a multidão, os discípulos por sua vez – talvez atemorizados – disseram que não teriam comida para toda a multidão, então André apresentou cinco pães e dois peixinhos, Jesus alimentou a multidão, em um milagre maravilhoso e depois Jesus pediu para não desperdiçarem.
Agora pense comigo, se Jesus multiplicou o pão, Ele não poderia ter feito com que o pão se multiplicasse na medida exata, sem sobrar nada? Sim, Ele podia, mas porque não o fez? Para que você entendesse essa palavra hoje.

Pão é o que alimenta, pão é o que nos permite viver, pão é o sustento, a força e o subsídio que nossos corpos precisam para estarem fortes, porém muitas pessoas não tem desse pão para comer, muitas pessoas passam fome, necessidades e precisam que nós não desperdicemos o pão que é tão valioso, embora muitas vezes pensemos que não.

Quando você está sentado em sua casa, comendo, parece que aquela comida entrou ali facilmente, mas na verdade muitas pessoas trabalharam para isso, seus pais, ou você mesmo, trabalharam para comprá-la, sua mãe ou você preparam para ela ficar no “ponto certo” para que pudesse ser comida.

E foi a mesma coisa com Jesus.

Jesus se despiu, retirou sua glória de si, se humilhou, se fazendo como homem, nasceu de uma mulher, viveu as dificuldades que nós vivemos, mesmo sem precisar, passou pela humilhação de ser rejeitado, foi pobre, passou fome e não teve aonde encostar a cabeça e quando parecia que Ele já tinha feito muito Ele se entregou à morte, para morrer pelos meus e pelos seus pecados.

E então Jesus disse, depois de multiplicar o pão:

“Eu sou o pão da vida” Jo.6:34

Jesus não estava falando ali para não desperdiçarem somente a comida, porque naquele momento, com Jesus alimentando a multidão, não era problema a comida, Ele poderia fazer o milagre de novo, Ele poderia pegar mais dois peixinhos e se alimentar durante anos, já que só eram 12 os seus discípulos.

Jesus estava falando ali do verdadeiro pão, o pão da vida, aquele que não alimenta por um minuto e por outro volta a dar fome, mas o pão que alimentaria eternamente e não permitiria que desfalecêssemos depois, o verdadeiro pão, que é Jesus.

Nós muitas vezes em nossas igrejas experimentamos desse pão, provamos da Palavra de Deus, que é Jesus, provamos da presença de Deus e não damos valor a isso, nós não pensamos no trabalho que Jesus teve para fazer com que nós comêssemos desse pão hoje em dia, nós não pensamos no sofrimento desse duro trabalho, penoso trabalho que Jesus realizou, então ouvimos da Palavra, sentimos a presença e depois nos esquecemos de tudo, nem sequer anotamos a Palavra, não agradecemos e ainda não falamos aos outros daquelas maravilhas.

Nós fazemos como os grandes reis do passado, que comiam muito, vomitavam e voltavam a comer, enquanto os servos passavam fome às suas vistas.

Como cristãos que somos temos que parar de agir assim, temos que parar de ouvir, de nos alimentar com a Palavra, nos saciar com a Presença de Cristo em nossos corações e depois vomitar tudo, deixar tudo para lá e voltar para ouvir a Palavra no próximo domingo, sabendo que milhares de pessoas morrem pela fome espiritual, pela ânsia de estar na presença de Deus.

Temos que deixar de largar a comida no prato, jogar fora, porque é isso que fazemos quando não damos atenção à vontade de Deus, é isso que fazemos quando não distribuímos o que restou desse pão, quando deixamos lá no banco da igreja as migalhas do que aprendemos e não levamos nada conosco.

Hoje Jesus nos repreende, assim como repreendeu a seus discípulos, Ele nos ensina a fazer o mesmo que mandou que seus discípulos fizessem:

“Ajuntem os pedaços que sobraram. Que nada seja desperdiçado.” Jo.6:12

Não deixe no banco da igreja a Palavra recebida, não deixe em seus domingos a palavra recebida, não deixe somente nos cultos a Palavra recebida, que nada disso seja desperdiçado do que Deus deu para você. Pegue a Palavra, guarde-a em seu coração e leve-a para casa, para a escola ou para o trabalho e ali divida com aqueles que estão com essas necessidades, com aqueles que tem fome e sede de Deus, mas não tiveram a chance de provarem ainda de Cristo.

Jesus estando na cruz deixou que até a última gota de seu sangue fosse derramada, tanto que quanto o soldado romano furou o seu lado com a lança saiu somente água. Faça como Jesus, entregue até a última gota, entregue até a última migalha o que Deus te deu para fazer, porque o Pai quer somente uma coisa de nós:

“E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia.” Jo.6:39

Como responsáveis pelo ministério de Cristo na terra é isso que devemos fazer, não permitir que nenhum dos que Deus nos deu se perca, mas que sejam ressuscitados por Cristo no último dia. Mas para isso eles precisam ouvir da sua boca a palavra, serem alimentados por você.

Meu irmão, não largue comida no prato, não desperdice tudo o que Deus tem te dado, pelo contrário, junte as migalhas e distribua aos famintos por Deus, assim Deus se agradará de você e você cumprirá tudo aquilo que Ele deseja.

Que Deus o abençoe!

quarta-feira, fevereiro 27, 2008

não.acredite.em.mim

Ao fazer uma dissertação procuramos dados que comprovem nossa tese, que assinem abaixo de tudo quanto escrevermos, dados que mostrem que somos dignos de confiança, ao ir a um julgamento temos que levar testemunhas que comprovem o que falamos ou mesmo provas para que o caso possa ser aberto e tal criminoso possa ser condenado, ao conversar com alguém temos que citar fontes de onde retiramos cada informação, como aprendemos tal coisa.

Em nossas vidas inteiras somos acostumados a uma coisa, não crer nas pessoas.

Não quer dizer que não amamos as pessoas que nos cercam, não quer dizer que não confiamos em suas palavras, mas sempre nos resta aquele resquício de dúvida, algo que nos foi imposto para que não crêssemos em tais palavras, algo em nós que diz que não devemos confiar totalmente naquela assertiva.

Já cansei de ouvir das pessoas que me cercam frases como “mas aonde você ouviu isso?”, ou então “mas você tem certeza que foi assim mesmo?” e a mais comum “você não está exagerando?”.

Creio que foi assim que a mulher samaritana ouviu ao dizer ao povo de sua cidade que havia conhecido o Salvador, que tinha conhecido o Messias, o Salvador do Mundo, muitos devem ter rido e todos devem ter desconfiado.

Além de ser uma mulher, fato que tirava sua credibilidade na época em que vivia, essa mulher era problemática, ela já havia tido cinco maridos e agora vivia com o sexto, que nem marido era, imaginem, se hoje em dia vemos mulheres que estão no terceiro marido e já olhamos com olhares julgadores, imagine a 2 mil anos atrás uma mulher no sexto?

Ela vem e diz que encontrou o Salvador, no mínimo os mais maldosos devem ter pensado que era “mais um marido” que havia encontrado, não sei se já falavam em príncipes, mas poderiam pensar que era disso que ela estava falando, que havia encontrado o salvador dela, que lhe tiraria dessa vida, histórias de contos de fadas.

Mas tem um fato interessante nessa história, que mesmo duvidando, mesmo não crendo nela, eles foram atrás da informação, eles foram ver o que havia acontecido e quem era tal homem, tal profeta, tal Messias, então disseram à ela:

“Agora cremos não somente por causa do que você disse, pois nós mesmos o ouvimos e sabemos que este é realmente o Salvador do mundo”. Jo.4:42

Existem fatos que eu enxergo com meus olhos que jamais outra pessoa verá, existem sentimentos em meu coração que jamais ninguém sentirá igual, existem crenças minhas que se você não experimentar da mesma forma que eu você nunca acreditará e sabe porque isso acontece?

Porque você não sou eu.

Parece uma afirmação até inocente, mas a verdade é que se seus olhos não virem o que eu vi, se você não tiver uma experiência como eu tive, você não vai conhecer e entender as mesmas coisas do que eu.

Você nunca irá saber o que é dar uma enterrada no basquete se você não enterrar, você nunca irá saber o que é andar de montanha russa se nunca entrar nesse brinquedo, você nunca irá saber quem é Jesus, se você não se dispor a conhecê-Lo.

Mesmo se a mulher samaritana tivesse uma reputação excelente, mesmo se toda a cidade tivesse crido em suas palavras, eles não creriam em Jesus se não o vissem, se não experimentassem da Sua presença.

Como você pode então dizer que conhece Jesus se nunca o aceitou como Senhor e Salvador de sua vida? Como você pode dizer que conhece a Jesus se nunca tomou uma atitude frente à Ele e decidiu se batizar? Como você pode dizer que conhece a Jesus se nunca tentou servi-Lo? Como você pode dizer que conhece a Jesus se não leu e não lê freqüentemente Sua Palavra, sua história? Como você pode dizer que conhece a Jesus se você não ora e não conversa com Ele? Como você pode dizer que conhece a Jesus se nunca tomou um ato de fé perante Ele que demonstrasse seu amor?

Você não pode.

E você não pode justamente porque seus olhos não viram, seu coração não experimentou e porque você não estava lá, Jó conhecia a fama de Deus e cria que Deus existia, era um homem justo, segundo as palavras do próprio Deus, mas mesmo assim Jó não conhecia Deus, só conhecia de “ouvir falar”, só conhecia “de longe”, mas depois de estar com Deus, conversar com Deus e aprender da Sua Palavra, então Jó o conhecia não só de ouvir falar, mas de andar com Deus.

Hoje faço um convite, um convite para que você conheça esse Deus e creia, assim como os samaritanos creram, não creia em Deus somente porque alguém te disse que Ele é bom, não creia em Jesus somente porque alguém te disse que Ele te salvou, não, creia em Deus e em Jesus porque você o conhece, porque você conversa com Ele, porque você o entende nas Suas Palavras, porque você o busca e Ele se permite achar.

Os cristãos em Beréia ouvindo a pregação do próprio Paulo, grande pregador e ouvindo de Jesus o Salvador, ainda assim conferiam tudo para ver se era assim e por isso eram chamados de “mais justos”.

Seja mais justo você também, não fique só ouvindo o que eu digo e aceitando, não acredite em mim, vá ler a Bíblia, vá orar, busque conhecer a esse Deus em quem você crê, porque quando você realmente conhecer a Deus sua vida verdadeiramente mudará.

Que Deus o abençoe e proporcione um real encontro com Ele!

segunda-feira, fevereiro 25, 2008

pode.se.abrir

Desde tempos primordiais nossa sociedade tem padrões pré-estabelecidos de confiança, de veracidade e de análise de caráter, nós vemos através de certas ocasiões o que as pessoas são capazes de fazer e do que seu caráter é capaz de anunciar ou realizar.

E esses padrões estabelecidos geralmente se dão de duas formas distintas, uma é a prova física, através de uma prova física sabemos que um crime foi cometido, através de uma prova física sabemos que tal pessoa fez mal a outra pessoa e isso nos é trazido à luz.

A outra forma é através de testemunhas, na própria Bíblia diz que as questões deveriam ser trazidas com pelo menos duas testemunhas e Paulo diz em uma de suas cartas que “toda questão será resolvida diante de duas testemunhas”, o que dizia que os problemas seriam supervisionados por pessoas que pudessem atestar o que ocorrera, para que nenhumas das partes fossem lesadas.

Mas antes de ser para julgamento e condenação, tais técnicas de verificação de caráter eram utilizadas para se conhecerem as pessoas, sabendo que uma pessoa é “caloteira” você não lhe emprestará mais dinheiro, sabendo que uma pessoa é assassina, você não deixará ele cuidar de sua família, sabendo que um homem é pedófilo, você não o deixará como babá de suas crianças.
Em todas essas coisas nós queremos fazer nada mais do que prever como as pessoas são e para isso recorremos a testemunhos, porque não sabemos o que as pessoas são na verdade.

Jesus, da mesma forma, quando veio ao mundo procurou fazer o bem às pessoas, procurou identificar a verdade em seus corações, tanto por ser responsável pela salvação e exortação daquele povo, quanto para ter certeza que seu ministério seria completo na terra. Jesus precisava saber como as pessoas eram, para ajudá-las ou mesmo corrigi-las, mas:

“Não precisava que ninguém lhe desse testemunho a respeito do homem, pois ele bem sabia o que havia no homem.” Jo.2:25

Jesus não precisava que ninguém lhe falasse “tal pessoa é má pessoa, cuidado com ele”, também não precisavam lhe falar “aquele é uma boa pessoa, pode contar com ele”, porque Jesus conhecia o que havia no homem.

Você pode pensar “mas demorou tudo isso só pra falar isso?”. A verdade é que isso é a coisa que mais importa para nós, de todo o resto.

Meu amado, Jesus não precisa que nenhum amigo seu diga para Ele “não, mas o [DIGA AQUI SEU NOME], é uma ótima pessoa”, e também não precisava que um inimigo seu diga para Ele “ah, o [DIGA AQUI SEU NOME]? Ele é horrível, nem fale com ele...”, não!

O Senhor o conhece pelo que está em seu coração, Ele conhece suas dificuldades, suas alegrias, suas tentações, suas provações, suas emoções, o que te faz rir, o que te faz chorar, o que vai te fazer ser mais feliz o que vai te fazer ser mais infeliz, o Senhor Jesus conhece tudo em seu coração, porque Ele sabe bem o que há dentro de você.

Mas da mesma forma que Ele sabe o que há de bom dentro de você, Ele conhece também o que há de ruim, Ele sabe as áreas de sua vida que você precisa melhorar, Ele sabe os seus pecados mais íntimos, mesmo que pareça que ninguém os conhece, Ele conhece, o Senhor conhece tudo de você.

“Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, para que se veja claramente que as suas obras são realizadas por intermédio de Deus.” Jo.3:20-21

Quem pratica o mal tenta se esconder, quem faz o bem tenta mostrar o bem que fez, mas dos dois lados Jesus conhece o que há no coração de cada um.

Hoje então eu lhe pergunto, o que há dentro de seu coração? Amor, ódio, tristeza, alegria, pecado, arrependimento?

Jesus sabe e lhe diz hoje, através desse texto, que se há algo que o incomoda, não hesite em buscar ao Senhor, se há algo que o entristece ou o preocupa, não hesite em procurar a orientação do Senhor, o Senhor já sabe o que está acontecendo, Ele só está esperando que você converse com Ele e coloque todas as suas aflições diante dEle, para que Ele possa lhe responder o que fazer.

Jesus te conhece no seu mais profundo íntimo, então, se abra com Ele, conte o que te aflige, e Ele te socorrerá!

Que Deus os abençoe!

sexta-feira, fevereiro 22, 2008

eu.sou........seu.pai!

Geralmente as novelas, seriados e filmes tem sempre as mesmas histórias, combinadas somente com personagens diferentes, sempre falam que alguém fica louco no meio da novela, sempre falam que alguém casa, sempre mostram um filho nascendo e sempre mostram um acidente trágico com alguém principal da novela ou seriado.

Entre tantos fatos que se repetem tem um que é muito bonito, que é quando um filho reencontra seu pai, depois de achar que o havia perdido ou de descobrir entre os personagens do próprio seriado ou novela quem é o pai, depois de passar a vida inteira sem saber quem era.

Mas o que acontece de vez em quando é que quando esse pai volta, esse pai que por muito tempo esteve distante, ou então um pai cujo filho nunca o conheceu, o filho não consegue reconhecer o pai, não mais se lembra dele e tem dificuldades de se identificar com aquela pessoa que por tanto tempo esteve distante.

Entretanto uma coisa me causa estranheza nesse assunto, nós somos parecidos com nosso pai fisicamente e muitas vezes até a genética nos faz termos atos e personalidades parecidas com nossos pais, mesmo que não as reconheçamos e não saibamos de onde que aquilo vêm.

Um amigo meu morou por muito tempo distante de seu pai e um dia estava contando para nós que quando viu uma fita de uma festa de sua infância ou uma festa em que seu pai estava ele notou que os atos do pai eram muito parecidos com os dele, até que no momento falei: “parecia até ser seu pai, não?”.

Porque por mais que nos distanciemos mantemos um pouco daquelas características de nossos pais, por mais tempo que passemos distantes, sempre manteremos algo de nossa ascendência, pode ser muito ou pode ser pouco, mas algo é guardado.

Na situação das novelas e seriados, entretanto, o que acontece é que geralmente o filho está tão diferente do pai, por causa da forma com que foi ensinado e educado, que quando o pai volta eles tem dificuldades em achar semelhanças, muitas vezes o filho foi criado como pobre e o pai é rico ou muitas vezes o pai é pobre e o filho foi criado por um casal de pessoas mais ricas, não importa, o que importa é que o filho está muito diferente do pai quando esse volta.

O melhor começo de livro da Bíblia, em minha opinião, é o livro de João, este e o Gênesis (que narram as mesmas coisas no início, praticamente) mostram de uma forma poética tão linda as verdades da Criação que deixam até arrepiado aos que entendem a Palavra, é uma forma maravilhosa de se falar.

E nesse capítulo 1 de João, João diz que o mundo foi criado pelo Verbo e nada do que existe foi feito sem o Verbo. Podemos pensar então que se tudo o que foi feito no mundo foi feito com a participação do Verbo e nós somos partes da criação então nós também fomos criados pelo Verbo.

E a Bíblia fala que o Verbo é Jesus.

Mas, assim como nas novelas e seriados, durante milênios esse, que era o Verbo, não esteve entre nós, até que um dia, em vista da viabilidade da remissão de nossos pecados decidiu descer aos homens, para que lhes entregasse Salvação, para que nos entregasse Sua Salvação, porém algo aconteceu:


“Aquele que é a Palavra estava no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o reconheceu.” Jo.1:10

Aquele que é a Palavra, Jesus, estava no mundo, não qualquer mundo, esse mundo em que estamos e esse mundo que Ele próprio criou, Ele era o verbo, a Palavra da ação de Deus, porém, assim como na tv os seus não o reconheceram.

Imagine, se um pai de novela passa 20 anos longe de casa e quando volta os filhos não o reconhecem, imagine ficar por 14.000 anos (aproximadamente) longe de seus filhos, os filhos não vão reconhecê-lo, certo?

E foi o que aconteceu, os filhos de Deus, os homens que Deus havia criado como primícias, como principais obras da Sua Criação, estavam tão diferentes, tão mudados, que eles próprios não reconheceram a seu criador.

Os homens estavam tão afundados em seus pecados, tão afundados em sua violência, tão afundados em seus ritualismos baratos, que não prestavam homenagem a Deus e sim fazia o “rito pelo rito”, sem pensar no que estavam fazendo, sem oferecerem corações sinceros a Deus, sem fazer a vontade de Deus. De tão sujos que estavam não conseguiam reconhecer a Deus, não conseguiram reconhecer Jesus, de tão diferentes que estavam do que Deus os havia criado, de tão rebeldes não conseguiam reconhecer Jesus, seu próprio Criador.

E a primeira coisa que gostaria de deixar hoje para você é:

Meu irmão, se você se afundar no pecado, se você se sujar muito com o pecado chegará uma hora em que, assim como aqueles homens nos tempos de Jesus, você não vai conseguir reconhecer mais o Deus que está próximo a você, querendo te salvar, Ele estará à sua frente, mas você não conseguirá o enxergar, porque seus olhos estarão com lodo, o lodo do pecado. Limpe-se com o Sangue de Cristo, para que veja aquilo que está à sua frente.

Mas isso não foi tudo, quando um pai chega nas novelas sempre tem aquela frase memorável em que o pai diz:


“[DIGA AQUI SEU NOME], tenho que te contar uma coisa... eu sou seu pai!”

E geralmente o filho nessa hora, mesmo sem reconhecer o pai ele o abraça e fica com aquele sentimento de amor dentro do coração, por mais distante que o pai pareça, o filho reconhece que aquele é mesmo o seu pai e o recebe como pai.


“Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam.” Jo.1:11

Por mais que Jesus tivesse dito que era Ele o Cristo, o Messias, o prometido ao povo de Israel, o Profeta, o Salvador, aquele que tiraria os pecados do povo, por mais que Ele tenha feito centenas de milagres que comprovassem isso, mesmo que Ele mostrasse nas Escrituras que era Ele o Filho de Deus, mesmo assim, mesmo falando para aqueles a quem tinha criado quem era Ele, eles não o reconheceram.

O povo de Israel esperava tanto por esse Salvador, que quando o Salvador chegou eles não mais se lembravam de como deveria ser o Salvador, não se lembravam mais de como identificá-lo, não se lembravam mais de como enxergá-lo e assim o desprezaram, como o filho que despreza seu pai injustamente, como o povo despreza seu herói que o salva por muitas vezes. Eles o desprezaram, mesmo sendo Ele Deus.


“Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus.” Jo.1:12-13

Mas a história não ia ficar assim, os seus, o povo que Deus havia escolhido para ser seu havia rejeitado seu Deus e seu Messias, havia rejeitado aquele que por intermédio dEle haviam sido feitas todas as coisas.

Porém Jesus, mesmo a aqueles que não o conheciam de antemão, mesmo aqueles que não eram seus filhos legítimos e não eram da nação escolhida, aqueles que o receberam, aqueles que o acolherem, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus.

Imagine, um pai chega depois de uma longa estadia fora e seus filhos o rejeitam, mas aquele pai tem muito amor para dar à seus filhos, tem muito amor para entregar, tem coisas muito boas à oferecer à seus filhos, então esse pai adota outros filhos, somente para que possa entregar-lhes amor.

Foi isso que Jesus fez comigo, eu não era do povo de Israel, eu não era daquele povo escolhido, o povo escolhido rejeitou ao Senhor, mas Deus me disse que se eu o aceitasse e acreditasse no Nome dEle, acreditasse que Ele morreu na cruz e ressuscitou e assim me libertou dos pecados, então Ele me tornaria filho, Ele me acolheria como um filho legítimo, eu não nasci de descendência natural, eu não sou trisneto ou tetraneto de Cristo, mas sou nascido de Deus, eu não sou um parente distante de Cristo não, mas quando aceitei a Cristo eu nasci de novo com uma nova natureza, a natureza de Cristo em mim, como um filho, não um neto, do próprio Deus.

Você não precisa ser igual aos judeus, você não precisa ser descendente de Abraão, você não precisa nem mesmo ser justo ou correto, você não precisa ser certinho ou careta, você não precisa ser tapado ou qualquer sinônimo desse, não!

Você só precisa acreditar em Cristo.
Você só precisa acreditar que Ele era o Messias, o Salvador.
Você só precisa acreditar que Ele era o Filho de Deus que veio ao mundo.
Você só precisa acreditar que Ele te ama.


Se você tão somente acreditar e dizer à Ele que acredita nEle, então nesse momento em diante o coração dEle irá se comover de tal forma, Ele te olhará com tanto amor que decidirá te adotar, como um Filho legítimo, como um Filho nascido de seu próprio Pai, Deus.

Se você acreditar em Deus você tem um direito, você tem uma herança, o direito e herança de serem feitos Filhos de Deus e é isso que Deus lhe promete hoje. No versículo 13 do primeiro capítulo de João, João disse que isso acontece não pela vontade de carne ou de homem algum, mas acontece por Deus, pela vontade de Deus.

Deus quer que você se torne verdadeiramente um Filho dEle, e isso, ser filho de Deus, só acontece quando aceitamos a Cristo, somente os que recebem a Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas e acreditam em Seu Nome é que são filhos de Deus, os outros são meras criaturas que desprezam o Filho do próprio Deus, assim como os judeus o fizeram, para esses não existe salvação, a não ser que aceitem a Jesus.

Deus te ama e quer te ter em sua própria casa, como seu próprio filho, se você quiser isso, leia em voz audível essa frase que escreverei abaixo, isso é uma oração:

“Senhor Jesus, eu acredito em Seu Nome, acredito que Tu és o Filho de Deus, reconheço que és o Verbo que criou o mundo e fez tudo o que existe, eu acredito que o Senhor morreu na cruz pelos meus pecados e ressuscitou no terceiro dia assim vencendo a morte e me libertando do peso de pecados que eu carregava. Entra no meu coração, Senhor Jesus, limpa-o, deixa-o puro, sem pecados, quero ser parecido com meu Criador, quero ser um Filho de Deus. Em nome de Jesus, cumpra meu pedido e me entregue o direito de ser Filho de Deus. Amém”

Se você fez essa oração sincera, agora é hora de conhecer o Seu Salvador, Jesus, entre em contato comigo via comentários ou e-mail e tire todas as suas dúvidas, Jesus te ama e quer que você o conheça, pois Ele já te conhece.

Que a Paz de Deus, que excede todo o entendimento, o amor que vem de Deus, a consolação do Santo Espírito de Deus estejam sobre vocês. Amém.

quarta-feira, fevereiro 20, 2008

faça.amigos

O que constrói uma amizade? O que reforça nossos laços fraternos e íntimos? Como construir um irmão em meio ao mundo frio e insensível que temos nos dias de hoje?

Primeiramente vamos definir o que é ser “amigo”, segundo o dicionário Houaiss amigo é aquele que ama, que demonstra afeto, que é benigno, ou seja, amigo é aquele que nos faz bem, o dicionário também diz que amigo é aquele que nos defende.

Com isso em mente podemos dizer ainda mais, amigos são aqueles que cuidam de nós fisicamente, mentalmente e espiritualmente, que se preocupam com o nosso jeito de ser e com nossas atitudes, que se preocupam com nossas decisões, para saber se nossos caminhos darão em alegrias ou em tristezas, vitórias ou derrotas.

Definir amigo, poderíamos dizer que é fácil, mas o que constrói verdadeiramente um amigo? Quais qualidades que nos fazem amar uma pessoa de forma fraternal, acima de todos os outros conhecidos e colegas?

Existem três qualidades e atitudes, que podemos colocar como base para a construção de um relacionamento amigo:

Amigos se constroem com amor. Por mais que isso pareça filosófico demais, nós não ficaríamos amigos de uma pessoa que nos xinga e demonstra ódio todos os dias por nós, nós ficamos amigos daquelas pessoas que nos tratam bem, que nos sentimos bem com elas e que, com o tempo, vemos que podemos contar para tudo, ou seja, começamos a amar.

Amigos se constroem com afeto. Nós não conseguiríamos ficar amigos de uma pessoa que nos quer mal e nos faz mal, pelo contrário, somente conseguimos ficar amigos de uma pessoa quando esta demonstra respeito por nós e afeto, afeição, um carinho emocional, um cuidado especial conosco não para o mal, mas para o nosso bem.

Amigos se constroem com preocupação. Pode parecer contraditório dizer que a preocupação traz amigos, mas isso depende do tipo de preocupação que estamos falando, você conhece uma pessoa e daquele momento em diante tem um sentimento de preocupação por ela, você quer que ela se dê bem em todas as coisas que fizer e fica preocupada se achar que ela não está conseguindo se dar bem, você até briga com essa pessoa para que ela se dê bem de alguma forma, essa sua preocupação demonstra que uma amizade pode estar nascendo ali.

Porém em todos os casos a amizade se constrói com alguma situação de convívio mútuo, alguma coisa em especial que nos faz estarmos juntos, algo que nos une de tal forma que serve como laço eterno de amor fraternal, algo que faz a diferença em nossa história, alguma situação memorável que acontece conosco e que nos faz ficarmos ligados dali em diante.

Eu tenho alguns amigos, mas sobre dois poderia falar em especial para comprovar essa tese.

Um eu conhecia de uma escola em que estudava, mas não éramos muito amigos, porém quando mudei de escola a única pessoa que conhecia era ele, que também havia mudado de escola, esse fato em específico nos uniu e fez com que nos tornássemos mais amigos. Foi uma ocasião especial e marcante de minha história, que fez com que aquele elo de amizade fosse construído e permanecesse até hoje.

O outro amigo conheci no começo da faculdade, também sem conhecer ninguém formamos grupo juntos, pelo bem do nosso grupo brigamos por diversas vezes, mas de tanto brigar conhecemos o caráter um do outro, que nos fez confiar um no outro e assim poder contar um com o outro. Outro fato marcante que marcou nossas histórias e constituiu-se a amizade.

Outra situação que podemos citar está descrita na Bíblia:


“Herodes e Pilatos, que até ali eram inimigos, naquele dia tornaram-se amigos.” Lc.23:12

Herodes e Pilatos eram tetrarcas nos tempos de Jesus, tetrarca é aquela pessoa que comanda a quarta parte de um estado, ou seja, sozinhos eles dominavam sobre metade da terra santa. Eles eram inimigos, provavelmente por causas políticas e nunca haviam se dado bem até aquele dia.

Mas naquele dia em específico eles tiveram a oportunidade de conhecer alguém em especial, que, de tão especial, deixou marcado no calendário de todas as pessoas do mundo a data do seu nascimento, que foi conhecida como “marco zero” na história, que agora se conta antes dEle e depois dEle.

Esse alguém era Jesus.

Jesus chegou para ser maltratado e crucificado e assim foi apresentado a Herodes e a Pilatos, com o povo clamando por suas costas, pedindo a sua morte, Ele foi levado à presença desses dois governadores.

Mas esse homem não era comum, Jesus não era um homem natural, Ele era o Filho de Deus, o próprio Deus encarnado como homem, o Deus que é conhecido como “amor”. Deus não TEM amor, Deus é amor:


“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” 1Jo.4:8

Então naquele mesmo dia Herodes e Pilatos conheceram o amor, que é o primeiro passo para se construir uma amizade.

Jesus não era comum, Ele estava ali por vontade própria e não disse nada em sua defesa, porque sabia que deveria ser crucificado para nos salvar de nossos pecados, de tanto que Ele nos amava e de tanto carinho que tinha por esses homens.


“Eu sou do meu amado, e ele me tem afeição” Ct.7:10

Quem fala como Noiva no livro de cantares é a igreja, os homens salvos por Cristo e eles declaram que Jesus os tem em afeição, em carinho, cuidado.

Então naquele mesmo dia Herodes e Pilatos conheceram o carinho de Jesus por nós, e a afeição que é o segundo passo para se construir uma amizade.

Jesus não era comum, Ele entregou sua vida por amor de nós, porque se preocupava com nossa Salvação e com nosso futuro, Ele se preocupava conosco:


“O SENHOR guarda a todos os que o amam.” Sl.145:20

Esse salmo diz que Jesus guarda, tem cuidado por todos os que o amam.

Então naquele mesmo dia Herodes e Pilatos conheceram o cuidado de Deus por nós, a preocupação que é o terceiro passo para se construir uma amizade.

Após ver todas essas coisas Herodes e Pilatos ainda viram Jesus ser crucificado, um ato que fez com que todo o mundo mudasse, um ato que fez com que nossos pecados fossem perdoados, um fato memorável.

Depois de todas essas coisas aquela inimizade de Pilatos e Herodes não tinham mais sentido, comovidos pelo amor de Cristo demonstrado na cruz e aquele importante fato histórico já não podiam ficar mais insensíveis ao amor e se tornaram amigos naquele mesmo dia.

Nós, como igreja de Cristo, temos convivido com as mesmas situações que Pilatos e Herodes viveram diariamente, vemos o amor de Cristo, vemos sua afeição por nós, vemos sua preocupação em nos guardar e sempre passamos por momentos marcantes em nossas igrejas, aonde a presença de Deus é manifestada.

Mas uma pergunta, de quantos temos nos tornados amigos na Presença do Senhor? Ou será que somente temos falado mal de nossos irmãos, somente os temos afastados, mesmo com todas essas manifestações de presença de Deus?

A Casa do Senhor é um lugar de união, de comunhão, Pilatos e Herodes, que nem cristãos eram, eram inimigos políticos mortais, mesmo assim, somente de conhecer a Jesus já se tornaram amigos e quantos de nós tem conhecido a Jesus e não tem sentido amor pelos seus irmãos?

Hoje tenho um convite, deixe de lado toda a amargura, deixe de lado todo o ódio e inimizade que moram em seu coração, perceba os atributos citados aqui de Jesus, os atributos que constroem uma amizade e o fato marcante de nossas vidas que é Jesus em nós e assim construa relacionamentos eternos com seus irmãos.

O apóstolo João disse:

“Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” 1Jo.4:20

Ame seu irmão, mesmo que seja difícil e faça amigos, pois nisso se demonstrará o amor de Deus em nós.

Que Deus os abençoe!

terça-feira, fevereiro 19, 2008

cristãos.se.convertam!

O que nos dá força? O que nos move a ponto de fazermos algo extraordinário ao Senhor? O que nos faz superarmos nós mesmos e nossos próprios limites e irmos em frente, rumo a um objetivo nobre e bem definido?

Lendo a Palavra hoje algo me causou imensa estranheza, uma palavra vindo de Jesus, momentos antes de ser traído por Judas.

Nós bem sabemos que os discípulos todos eram especiais, não especiais porque foram homens extraordinários ou porque mereciam alguma honra e assim Jesus os escolheu, não, mas porque estes homens caminharam dia após dia, noite após noite com Cristo, eles, mais do que qualquer outra pessoa que existiu, conheciam intimamente o Senhor Jesus e assim sendo, conheciam a Deus.

O caminhar deles não era somente o andar, eles também faziam a parte deles, ainda que ofuscados pela presença do próprio Senhor entre eles, Jesus os enviou e pregaram por toda a nação de Israel, fato que o próprio Jesus descreveu como vendo Satanás caindo como um relâmpago dos céus, tamanho foi o impacto da pregação desses homens, orientados pelo próprio Messias.

Qualquer um de nós hoje, como cristãos, almejaria estar ali fazendo essas coisas, serem os primeiros a expulsarmos demônios, os primeiros a conhecerem a Cristo, os primeiros a receberem o Espírito Santo, quando Jesus soprou sobre eles logo em seguida de ressuscitar, os primeiros a poderem pregar com o poder, curar doenças, entre outras tantas coisas que hoje nós almejamos e objetivamos como o pão de cada dia.

Mas a verdade é que a nossa existência, nossa missão, nossa função como cristãos não depende de quantos demônios expulsamos, ou de quanto que pregamos bem, ou de quanto curamos os enfermos, ou de quando e como recebemos o Espírito pela parte de Deus, não, nossa missão se caracteriza de uma forma totalmente diferente, começa e se desenvolve de uma maneira inigualável, uma maneira única que foi justamente a frase que me causou estranheza hoje, lendo a Palavra:

“E quando você se converter, fortaleça os seus irmãos”. Lc.22:32b


Parece uma frase simples de se dizer, não? Poderíamos aqui fazer um teste sobre quem acertaria o nome de com quem Jesus está falando nesse versículo e vocês poderiam dizer que Jesus estava falando com:

Maria Madalena, que tinha 7 demônios e que quando ela se convertesse fortaleceria a fé dos seus irmãos. Mas não foi.

Zaqueu, que quando ele se convertesse fortaleceria a fé dos irmãos ao dar dinheiro aos pobres. Mas não foi.

Jovem rico, que se ele se convertesse fortaleceria a fé de muitos irmãos. Mas não foi.

Saulo de Tarso, que abalaria as estruturas do mundo, por sua conversão radical. Mas não foi.

Jesus disse isso a Pedro!

“Mas Pedro?! Aquele que fez o discurso no dia de Pentecostes? Aquele que andou sobre as águas? Aquele que disse que Jesus era o Messias, antes de qualquer pessoa o dizer? Aquele que disse que acompanharia Cristo, pois só Ele tinha palavras de vida eterna?”

Sim, Jesus disse isso a esse mesmo Pedro.

Não se enganem, Pedro já havia sim andado sobre as águas, já havia feito tudo isso que foi citado logo acima, Pedro já havia expulsado demônios, já havia pregado, curado a muitos pelo nome de Cristo, mas faltava algo ainda a ele, faltava ele se converter.

Hoje nós pensamos que nossa meta é pregar de forma incrível, curar facilmente câncer, existem pessoas hoje em dia que dizem que em suas igreja AIDS é como resfriado, que qualquer um da igreja cura, pessoas que buscam riquezas pela Palavra, para cumprir as profecias de Deus a Jacó, que prometeu fazer-lhe próspero e tomar toda a terra em que pisasse, mas nossa meta não é essa.

Jesus não disse a Pedro: “Quando você pregar bem...”, ou “Quando você curar enfermos...”, ou “Quando você expulsar demônios..” e também não “Quando você andar sobre as águas...”, não!

Jesus disse tão somente a Pedro “Quando você se converter”.

Era isso que faltava a Pedro, não era “fogo” não era “poder”, era conhecimento de Deus, era aceitação de Deus, era a mansidão, que consiste em entregar nossas vidas nas mãos do Senhor, sendo mansos, não como cavalos ariscos, mas como cordeiros, dóceis e amáveis, que obedecem ao Bom Pastor, era isso que faltava a Pedro, não faltavam milagres, faltava o mais simples, se converter.

O que é se converter? Converter, segundo o dicionário é transformar-se, mudar de direção totalmente, substituir por outra coisa. Pedro precisava substituir a si mesmo por outro Pedro, um Pedro que confiasse mais em Deus, um Pedro que estivesse mais com Deus.

E como fazer isso? Jesus sabia que não seria somente falando a Pedro “Pedro, me siga”, não, não bastava isso, não basta à nós somente estarmos “próximos” à Cristo, não basta irmos na igreja todos os dias da semana e trabalharmos em diversos ministérios, não basta!

Nós temos que ter uma experiência com Deus, Jesus esperou que Pedro tivesse a dele e disse:

“Mas eu orei por você, para que a sua fé não desfaleça”. Lc.22:32a

Jesus orou para que a fé de Pedro fosse fortalecida, que Ele tivesse um encontro verdadeiro com Deus, mesmo andando com Deus todos os dias Pedro ainda não havia experimentado a conversão de fato, ele só conhecia a Deus de “ouvir falar”, não havia ainda contemplado a Deus com seus próprios olhos, se tornando amigo de Deus.

Hoje muitos de nós temos feito o mesmo que o Pedro antes da conversão, muitos de nós temos feito as mesmas coisas, temos estado sim com Cristo, temos andado com Ele sim, temos vivido em Sua presença, temos ido à sua casa, mas nós não temos buscado a Cristo, não temos buscado uma experiência com Ele, não basta para nós somente ouvirmos falar e estarmos “no mesmo lugar que Cristo”, como Pedro estava, nós precisamos nos converter.

Jesus hoje nos diz que quando nós nos convertermos vamos fortalecer nossos irmãos, nós não iremos mais desanimá-los, como temos feito hoje, não iremos mais não apoiá-los, como temos feito até hoje, não iremos mais derrubá-los e fazê-los pecar, como temos feito hoje, nós não iremos mais dar mal exemplo, mal testemunho, negando a Cristo, como Pedro o fez e como nós temos feito até hoje.

Não, nós, quando nos convertermos seremos diferentes, tomados pela vontade de Deus fortaleceremos nossos irmãos, seremos como pontos de referência, seremos luz aonde há trevas, luzes abundantes que empurram para fora todo o mal de onde estivermos, faremos coisas verdadeiramente incríveis, porque Deus será o centro de nossas vidas, seremos responsáveis pela conversão de muitos, seremos responsáveis pelo nome do Senhor ser honrado e glorificado pelas nações, seremos conhecidos como homens de Deus, que conhecem a Deus e nossos rostos brilharão como o rosto de Moisés brilhou após se encontrar com o Senhor.

Meu irmão, pare hoje de buscar poder, pare de buscar palavras, pare de buscar dons diversos, pare de buscar todo o resto que você tenha buscado e busque o que Jesus mandou Pedro buscar, uma verdadeira conversão, uma inversão de valores para os valores celestiais, uma verdadeira experiência com Deus.

Você que é cristão, que já aceitou a Jesus como Senhor e Salvador de sua vida, se converta como Pedro, busque uma experiência com Deus e você que não é cristão, aceite a Cristo como Senhor e Salvador de sua vida e Ele se encarregará de te fazer feliz, assim como o somos.

Que Deus o abençoe!